PDF Imprimir E-mail

 

 

As primeiras ordens de Cavalaria, foram formadas na Idade Média. As mais conhecidas são  a  Ordem de São João (Cavaleiros Hospitalários, atual “Ordem de Malta”),  a Ordem Militar do Templo de Jerusalém (Cavaleiros Templários), a Ordem de São Lázaro,  e a Ordem de Santa Maria do  Hospital em Jerusalém (Cavaleiros Teutônicos)  .

Estas organizações foram  patrocinadas pelo monarca de seus países de origem, ou pelo Papa (que é um poder soberano de si mesmo). Cada membro de suas organizações tipicamente tomou votos, e, em essência, se tornaram monges guerreiros.

Lutavam defendendo a Terra Santa, e,  em 1291, quando Acre,  o último reduto da cristandade caiu para os muçulmanos, o aspecto militar das  Ordens de Cavalaria tornou-se obsoleto.  Algumas ordens, como os Cavaleiros Teutônicos, sobreviveram porque já tinham se estabelecido sólidamente no Leste da Europa. A dos  Cavaleiros Hospitalários,havia transferido sua sede para a Ilha de Rodhes, e, depois, Malta, onde se estabeleceu como um principado,  e se tornou uma potência naval, continuando a  travar  guerra contra os otomanos .


A Soberana Ordem Militar de S. João de Jerusalém, de Rodes e de Malta, também conhecida como Ordem de Malta,  Ordem de S. João de Jerusalém, ou, simplesmente, Hospitalários, é uma confraria internacional peculiar, única internacionalmente reconhecida (inclusive pelo Brasil), como pessoa jurídica de direito público internacional, embora tenha perdido seu território, conquistado por Napoleão . Acolhida pela Santa Sé, que lhe cedeu imóvel para se estabelecesse em seus domínios,  dedica-se a atividades de assistência médica aos carentes, e obras de caridade em geral .

A Ordem Teutônica tornou-se uma simples ordem religiosa em 1929.

A Ordem de São Lázaro, por bula papal, passou à Casa Real de Savóia, unindo-se à de  São Maurício, formando a atual Religiosa e Militar Ordem de São Maurício e São Lázaro.  Entretanto o priorado da França sustentou que a bula não se aplicava naquele país, em virtude de concordata existente, e não se integrou, permanecendo independente, sob a proteção da Coroa Francesa, até 1791, quando formalmente abolida pela França pós-Revolução . Não obstante, apesar de proibida no território francês naquela época, se manteve organizada no exílio,graças ao seu sistema de “comendadorias hereditárias”, até que em 1841, por ato do Patriarca Maximos  III Mazhoum passou à “proteção espiritual” da Igreja  Melquita ( Sé de Antióquia), da Comunhão Apostólica da Santa Sé, embora tal adoção não tenha sido aprovada por Roma.  Até hoje está ativa, embora rivalidades tenham provocado diversas cisões, dando origem a Obediências diversas que reivindicam legitimidade. Seu Grão-Priorado do Brasil foi  estabelecido em 1934 (quando vivíamos sob regime constitucional anterior ao Estado Novo de 1937), e, entre seus cavaleiros, teve o então Presidente Vargas. Este, por resolução publicada no Diário Oficial de 15.05.1936, pag. 10 313, concedeu condecorações da Ordem do Cruzeiro do Sul a vários de seus dignatários, entre eles D.Francisco de Bourbon, Duque de Sevilha, Tenente-General do Grão-Mestrado .

Outra que permaneceu, mas como dependente da Igreja Católica, foi a Ordem Equestre do Santo Sepulcro, instituída como Guarda de Honra daquele local santo, inicialmente. Dedica-se a angariar recursos para manutenção do Patriarcado Latino de  Jerusalém .


Embora sem função militar, sob o patrocinio de Casas Reais, foram, no correr do tempo, sendo criadas Ordens Dinásticas nos moldes das antigas de Cavalaria, ou recriadas, como honoríficas, algumas daquelas, como é o caso da Ordem da Águia da Geórgia e da TúnicaInconsútil de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Casa de Bragation, ex-reinante da Geórgia, país  que reconquistou a independência com o fim da União Soviética .

Também monarquias cristãs, católicas ou ortodoxas, da Àfrica, estabeleceram Ordens de Cavalaria nos mesmos moldes, que até hoje estão ativas, respondendo às Chefias de Casas Reais em exílio, como a Imperial Ordem do leão, da Etiópia, ou a Real Ordem do Grou, de Ruanda .

A Casa da Albânia, embora se trate de dinastia muçulmana (conquanto tradicionalmente seus Chefes se casem com noivas cristãs  de alta nobreza européia ) também possui suas Ordens, quais sejam a do Colar da Albania,a da Fidelidade, a de Skanderbeg, e a da Bravura Militar. Com esta última foram condecorados diversos heróis da resistência que lutaram na II  Grande Guerra contra os nazistas  .

Outras, muito conhecidas, são a Ordem da Sagrada Anunciação e a Ordem do Mérito de Savoia, da Casa Real da Itália (coroa em exílio na Suíça ), a do Império Britânico, e a da Jarreteira, do mesmo patrimônio heráldico .


Os cavaleiros não eram necessáriamente nobres, embora algumas Ordens mantivessem o chamado “Quadro de Justiça”, para aqueles que o fossem de nobreza antiga, e o “de Graça” pera os plebeus, geralmente burguêses . Contudo, a legislação dos reinos poderia considerar nobilitado quem, até então não sendo nobre, fosse admitido em Ordens específicas . Foi, por exemplo, o caso da de São Maurício e São Lázaro, da Itália . Conforme a legislação de cada país, cavaleiros nobilitados poderiam transmitir esta condição por hereditariedade .

Hoje em dia a regra é que a investidura com cavaleiro não nobilite, embora conceda um status próximo do de nobreza, e possa servir de referência ao chefe dinástico para eventual futura nobilitação, pois os Grão-Mestres costumam ser os próprios reis , ou, na falta destes, os príncipes-pretendentes .

Com algumas variações de país para país, geralmente a hierarquia observada quanto aos graus equestres é, da menor para a maior: Cavaleiro, Oficial, Grande Oficial, Comendador, Grã-Cruz, Grão-Colar .