FALECIMENTO DE S.A.R. PRÍNCIPE ANTOINE IV, CHEFE DA CASA REAL DE ARAUCÂNIA E PATAGÔNIA PDF Imprimir E-mail
Qui, 28 de Dezembro de 2017 12:51

A Nação Mapuche, etnia que vive na  região anexada pelo Chile com desrespeito ao tratado de reconhecimento e amizade  por aquela celebrado com a Espanha em 7 de Janeiro de 1825 , está enlutada pelo falecimento do Chefe de sua Casa Real, Jean Michel Parasilit di Para. Sexto titular da Coroa em Exílio, que se transmite pelo sistema de monarquia eletiva através de um colégio eleitoral  integrado por lideranças indígenas  e apoiadores de diversas nacionalidades, faleceu dia 16 pp, de causas naturais, em Marmande, França.


A sucessão eletiva por colégio eleitoral  foi adotada quando do falecimento, sem descendência, do Rei Antoine I, aclamado na grande assembléia indígena de 17 de Novembro de 1860.


O território tivera sua  independência reconhecida pela potência colonial em 7 de Janeiro de 1825, pelo Tratado de Tapihue, que não foi respeitado pela República do Chile, criada após a derrota daquela na Guerra da Independência . Ante a iminência da invasão estrangeira, os Mapuche, até então uma confederação de quatro governos regionais ( os “butalmapu” ) se uniram em um único reino, e aclamaram o Procurador da Coroa de França, Oreille Antoine, como rei, ao que tudo indica com o beneplácito do Imperador Napoleão III, com o nome dinástico de Antoine I.

 

 

Sobre o reinado de Antoine I, o estabelecimento da Coroa em Exílio na França, e sua sucessão atravessando os séculos, leia-se, na seção de artigos  a matéria “ A Casa Real de Araucânia e Patagônia- Aspectos Histórico, Político, e Jurídico”, publicada neste site em 21.12.2015.